Sousa, Pedro Ponte e

A carregar...
Foto do perfil

Endereço de Email

Data de nascimento

Cargo

Último Nome

Sousa

Primeiro Nome

Pedro Ponte e

Nome

Pedro Ponte e Sousa

Biografia

Lecturer in Politics and International Relations, Department of Law, Portucalense University (UPT). Researcher at the Portuguese Institute of International Relations (IPRI). PhD candidate in Global Studies, Department of Political Studies, Faculty of Social Sciences and Humanities, NOVA University of Lisbon (NOVA FCSH). His PhD thesis concerns the relationship between globalization (and global governance) and foreign policy in Southern Europe (Portugal, Spain, Italy, and Greece). Scientific areas: Political Studies; Comparative Politics; International Relations; Global Studies Main research interests: Foreign and security policy; Foreign policy analysis; Diplomacy; (Political) Globalization; Global governance; European Union Area-studies: Southern Europe (Portugal, Spain, Italy and Greece).

Projetos de investigação

Unidades organizacionais

Organização
IJP - Instituto Jurídico Portucalense
O Instituto Jurídico Portucalense (IJP) é um centro de investigação em ciências jurídicas que tem como objetivo principal promover, apoiar e divulgar a investigação científica nessa área do saber produzida na Universidade Portucalense e nos Institutos Politécnicos de Leiria e de Lisboa, suas parceiras estratégicas.

Resultados da pesquisa

A mostrar 1 - 10 de 15
  • PublicaçãoAcesso Aberto
    Diplomacia e política externa num mundo globalizado
    2021-02 - Martins, Cíntia; Sousa, Pedro Ponte e
    O conceito de globalização e a noção de global permanecem pouco compreendidos, nomeadamente numa dimensão mais política destes fenómenos. Tidos como demasiado abrangentes, ou apenas sinónimos de uma integração económica global, foram largamente menorizados ou ignorados por decisores e cientistas políticos. Este artigo pretende ser uma breve introdução à relação entre globalização, política externa e diplomacia. Defendemos que a globalização afeta e altera/adapta/molda a política externa e diplomacia; mas também que faltam ainda estudos empíricos sistemáticos que permitam analisar, de forma mais concreta, e com evidências adicionais, tais alterações. Discutimos brevemente a literatura existente sobre o tema, de modo a salientar a relevância deste objeto de estudo para uma melhor compreensão da diplomacia e política externa contemporâneas.
  • PublicaçãoAcesso Restrito
    Imposição da paz [entrada em dicionário]
    2022-04 - Sousa, Pedro Ponte e
    Instrumento de coerção e uso de força militar num conflito por um ator externo que pretende fazer cumprir determinadas resoluções ou sanções, obrigando à reposição da paz e segurança internacional. [...]
  • PublicaçãoAcesso Restrito
    Instituto Europeu de Inovação e Tecnologia
    2020 - Martins, Cíntia; Sousa, Pedro Ponte e
    A obra "Instituições, órgãos e organismos da União Europeia" é uma iniciativa conjunta do JusGov/CEDU (Centro de Investigação em Justiça e Governação/Estudos em Direito da União Europeia - UMINHO) e do IPRI (Instituto Português de Relações Internacionais - UNL) e reúne comentários acerca de setenta instituições, órgãos e organismos da União Europeia realizados por um número equivalente de especialistas nacionais e estrangeiros das mais diversas áreas do saber, desde o direito, às relações internacionais, à ciência política e aos estudos europeus, entre muitas outras. A obra visa delinear se, no contexto europeu, o seu quadro institucional continua a poder reputar-se como único, para, numa perspetiva interdisciplinar, aprofundar, à luz das mais variadas áreas científicas e do conhecimento, o estudo da União Europeia, visando o entendimento plural e multifacetado do seu quadro institucional.
  • PublicaçãoAcesso Aberto
    ¿Son las fuerzas de protección civil una mejor opción que las fuerzas armadas? Seguridad humana y despliegue de fuerzas armadas frente a nuevos riesgos para la seguridad
    2020 - Novo, Carolina; Sousa, Pedro Ponte e
    Este documento tiene como objetivo reflexionar sobre los medios más apropiados para mejorar la seguridad humana ante una multiplicación de nuevos riesgos para la seguridad. El documento se pregunta si la responsabilidad corresponde a las fuerzas armadas o a las de protección civil, y analiza los desafíos que plantean las operaciones de ambas agencias. Argumentamos que el papel de las fuerzas de protección civil debe ser reforzado (asimismo, deben optimizarse sus recursos, capacidades y preparación) con el fin de proteger la seguridad humana cuando se materializa el riesgo (cumpliendo las Directrices de Oslo de Naciones Unidas). Para respaldar esta afirmación, exploraremos: en primer lugar, las intenciones (y oportunidades y desafíos) de las fuerzas armadas al incorporar nuevos riesgos para la seguridad en su agenda, así como al (argumentar e) intervenir como el actor clave en intervenciones en el extranjero; en segundo lugar, cómo la división entre la seguridad interna y externa limita la acción militar en el extranjero frente a “nuevas” amenazas y riesgos y demuestra su insuficiencia (incluso con equipos de doble uso); en tercer lugar, cómo las “nuevas” amenazas y (en particular) riesgos hacen que las fuerzas de protección civil sean más útiles en intervenciones en el extranjero que los militares. Basándonos en el caso del ciclón Idai en Mozambique y la respuesta de Portugal al mismo, exploraremos brevemente los problemas derivados del despliegue de militares en un escenario de desastres naturales. En resumen, aseveramos que las fuerzas de protección civil garantizan con frecuencia una mejor contribución a las crisis de seguridad humana que las fuerzas armadas.
  • PublicaçãoAcesso Restrito
    Global Threats [entrada em enciclopédia]
    2021-11-10 - Durão, Rita; Sousa, Pedro Ponte e
    Global threats are global challenges that the state cannot currently address unilaterally. Globalization has given rise to the rapid flow of information and the development of technologies and advanced communication systems. [...]
  • PublicaçãoAcesso Restrito
    Globalizing forces on migration? A dual process
    2021-01 - Tomassoni, Franco; Sousa, Pedro Ponte e
    The impact of globalization on migration has been somewhat studied in recent years: the acceleration of flows and its longer reach; the role of advancement in transport and communications and its role on migrations; the linking of migrant diasporas with their home countries culturally or economically (or both); and the rise of transnationalism to explain some migratory movements. Yet, it is both unclear how globalization theory, with different elements and thus, different perspectives, has explained the relationship between globalization and migration. Moreover, this has been mostly seen as a one-directional interaction, without proper consideration of its consequences. This chapter aims to address this issue in two main streams: first, how globalization theory has studied and proposed (implicitly or explicitly) the relationship between globalization, migration, and the nation-state; second, and drawing on concrete cases (namely, Spain, Italy, Greece and Libya), how migration is retrieved in political terms, as an issue that was traditionally part of foreign policy agenda and strategies has transformed into domestic politics, of border and migration management. In other words, globalization reorganizes a foreign policy vector that causes it to be part of internal politics - thus, forming a dual process of action and interaction between globalization and migration, mediated by the nation-state. The selected cases aim to consider African migration within the specific context of two political areas: EU and Mediterranean Sea. Within these two areas, foreign policy, migration, globalization and regionalization processes, merge together. Libya is the terminal of a continental African route, which thus connects directly with both the origin countries and, eventually, Europe as a final destination; and Spain, Italy, and Greece were considered in this study due to their role as points of entry. According to this consideration, we study the relation between migration and globalization, as multiple geographies, within which the border between internal and foreign policy is unclear. We argue that globalization as a process creates resistance to itself, and that we can see the manifestations of that resistance in the issue of migration.
  • PublicaçãoAcesso Aberto
    Nota introdutória: Democracia e segurança global
    2021 - Silveira, João Almeida; Sousa, Pedro Ponte e
    Esta obra propõe um novo olhar sobre a globalização ancorado na interdependência das várias dimensões que a compõem. Com base em artigos aprofundados sobre cada uma das dimensões que aqui se destacam - direitos humanos, história dos impérios, democracia e segurança, sustentabilidade - é possível mostrar de que forma surgem crescentes tensões nas democracias. Mesmo no seio de configurações políticas ambiciosas (como a UE), e até no âmbito de alianças político-militares estáveis, estas tensões revelam-se enquanto ressurgimentos extremistas, pulsões identitárias, manifesta resignação perante a emergência ambiental e até na desadequação de velhos conceitos da economia política (por exemplo, a justa redistribuição), tal como Jack Goldstone e Saskia Sassen de forma magistral nos mostram.
  • PublicaçãoAcesso Restrito
    Benedict Anderson e le relazioni internazionali alla luce dei nuovi approcci teorici
    2022-10-25 - Sousa, Pedro Ponte e
    ’opera che è all’origine di questo saggio, Comunità immaginate: origini e fortuna dei nazionalismi, di Benedict Anderson (2012), ha avuto un impatto significativo sulle scienze sociali, soprattutto in ra- gione della sua prospettiva sulle nazioni, sulle nazionalità e sui proces- si che – a detta dell’autore – hanno favorito la percezione dell’appar- tenenza personale e sociale a una specifica nazione. L’attenzione che dedica al ruolo del capitalismo-a-stampa, alla “pirateria” (nel senso di imitazione/replica), alla vernacolarizzazione e allo sviluppo delle lin- gue nazionali, al rapporto tra nazionalismo e relazioni internazionali, al di là della territorializzazione delle religioni e dei mutamenti nella percezione di spazio e tempo, sono elementi che – non soGermandosi come avviene in altri lavori sulle aree in cui operano movimenti poli- tici nazionalisti specifici, ma su processi di più lungo periodo che inte- ressano l’idea nazionale – propongono una spiegazione più comples- siva e generale di quella stessa idea. [...]
  • PublicaçãoAcesso Restrito
    Portugal e a NATO: compreender a continuidade na política externa pós-Revolução de Abril a partir da Análise de Política Externa
    2020 - Sousa, Pedro Ponte e
    Nos anos 70 do século passado, quando findaram as ditaduras ibéricas, a constelação de pequenas organizações que se situavam à esquerda dos partidos comunistas congregaram inteligências e vontades de uma geração nascida do segundo pós-guerra, em tempos de guerra fria e do desenvolvimento do capitalismo e da sociedade de consumo. Eram organizações profundamente sectárias e dogmáticas, de base predominantemente estudantil, oscilando entre a agitação e o doutrinarismo, acentuando divergências e desmultiplicando-se em pequenas e grandes cisões. A queda das ditaduras ibéricas proporcionou-lhes processos de reconfiguração e de crescimento que lhes permitiu uma intervenção que tem sido historicamente desvalorizada. Este Colóquio procura reapreciar, numa perspetiva comparada, o seu papel nos processos de transição democrática. Maoístas e trotskistas, luxemburguistas e internacional situacionistas, autogestionários e neo-estalinistas, gramscianos e libertários, a queda das ditaduras ibéricas proporcionou-lhes processos de reconfiguração e de crescimento na especificidade dos processos que se seguiram, cujo estudo comparativo ajudará a clarificar não só os espaços de interacção e solidariedade, como de convergência ou abjunção de posicionamentos, actuações e desenvolvimentos no espaço peninsular. As esquerdas radicais ibéricas na pluralidade das suas expressões foram parte incontornável do processo de transição para a democracia. Expressando distintas ideias e modelos de revolução, ajustando-se e desajustando-se das conjunturas em que intervinham, procuraram construir respostas, disputar influências junto de diferentes camadas e sectores sociais. O conjunto de comunicações e trabalhos que vão ser apresentados ao Seminário constituem um contributo para um melhor conhecimento de uma faceta menos valorizada desse período tanto em Portugal como em Espanha, onde os processos de transição se cruzaram no tempo e na especificidade de cada país.
  • PublicaçãoAcesso Restrito
    Between Decolonization and the CPLP: Relations between Portugal and the New Portuguese-Speaking African States through Government Programs
    2020 - Martins, Cíntia; Sousa, Pedro Ponte e
    Portugal's relations with its former African colonies went through dramatic changes in the second half of the twentieth century. (...)